sexta-feira, julho 31, 2015

Estou com uma dúvida...

Ver  uma rapariga na praia, trocar alguns sorrisos, a propósito das travessuras que as crianças, que estavam com ela, faziam e no dia a seguir, meter conversa, é a mesma coisa que meter conversa no facebook? Se é, lá se foi a minha promessa…. :) 

Ai, ai,...

sexta-feira, julho 10, 2015

Férias!!!


Como o ano passado foi bom, este ano repito. Quase tudo igual, só mudo de instalações. Um pequeno up-grade. 

All by myself. :)

sexta-feira, julho 03, 2015

Promessa de bloguer II

Pois é,… A promessa ainda vale.

Não voltei a pedir amizade a desconhecidas nas "redes virtuais" e por alguma razão (talvez simples coincidência), também nenhuma rapariga desconhecida me voltou a pedir amizade também.

À minha volta têm andado duas ou três raparigas, a quem não tenho dado a mínima “bola”, mas que, apesar de tudo, continuam a insistir.

Portanto, tudo isto significa que tenho andado por aí, sozinho. Muito sozinho. Sentidamente sozinho.
A minha vida não tem aquela adrenalina que tinha, mas também, pelo menos, não ando metido em confusões. Não me magoo, nem magoo ninguém.

Apostei que ia esperar pela paixão, pelo encantamento e pelo amor. Tudo junto ou uma destas coisas de cada vez, mas não está fácil. Quem me conhece, talvez ache que não seria difícil. Não sou feio (à quem diga que até sou jeitosito), estou livre, tenho um trabalho relativamente seguro e não tenho filhos, e por isso nem sequer tenho ex-mulher “à perna”. Mas o facto é que não acontece. Nada acontece. 

O meu trabalho não ajuda muito. Não me socializa muito. Estou todo o dia enfiado numa pequena aldeia onde só moram velhotes (as aldeias do interior de Portugal, definham aos poucos) e quando volto à cidade vou cansado e só quero tomar banho e sossegar. Mas mesmo que quisesse sair, não teria com quem. Isto é, até tinha, mas era com moças e com moças não é fácil conhecer outras moças. Depois, em terras pequenas se somos vistos com uma pessoa, é porque há caso e se há caso, o pessoal afasta-se. Não tenho amigos homens, ou pelo menos daqueles a quem se telefona para sair, ou que sabemos sempre onde estão e dá para ir ter com eles.

Enfim, coisa complicada, não? Vou tentando adaptar-me.  

A minha laranja

Imaginemos que eu sou como uma laranja, constituído por gomos muito juntinhos dentro de uma casca. Cada um dos gomos representa um estado...