sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Devaneios de uma tarde de Sexta ao sol

Gosto de ver as moças de saias. Volta e meia devia ser obrigatório. Já perdi a conta às que impingi à minha mulher e que ficam no armário por estrear, mas isso é outra história. Gosto porque gosto. Ponto final.

E por falar noutra história, estou ansioso pelo início do verão. O que acontecerá quando o calor apertar, começar a subir por essas pernas acima e as moças que usam agora aqueles collants grossitos, apenas com umas “imensas” minissaias ou calções, tiverem que os tirar? Vão deixar-nos de cabeça perdida? Se assim for, por favor, avisem-me para eu me preparar, caso contrário, sou bem capaz de me começar a espetar contra os postes e de atropelar várias velhinhas nas passadeiras. Obrigado.

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

Já decidi


Quando vender a quinta vou comprar uma floresta.

quinta-feira, fevereiro 17, 2011

quinta-feira, fevereiro 10, 2011

A época de aparvoar este ano chegou mais cedo. :)


Estava um destes dias a ouvir na rádio, uma investigadora falar sobre sexologia feminina, quando a ouvi dizer que, nos inquéritos que desenvolveu para o estudo que fez, (estudo esse que deu origem ao livro de cima), a maior parte das mulheres mencionou o sexo em grupo, como sendo a sua fantasia sexual mais estimulante.

Perante isso só me pergunto, mas porque é que ainda ninguém me chamou???!!!

segunda-feira, fevereiro 07, 2011

Nas coisas do amor

Já lá vão alguns anos desde que tive a sorte de passar, quase de raspão, pela vida de uma miúda muito especial. Ao contrário, ela entrou na minha e ficou. Guardo-a na memória até hoje. Porque a desejei, porque lhe tive que resistir, devido à paixão que o meu melhor amigo tinha por ela, mas principalmente porque, pela primeira vez na vida, me fez sentir numa relação adulta e intensa. Vivi alguns dos dias mais felizes e mágicos da minha vida.

Foi o verão do Rui Veloso e dos seus “Mingos & os Samurais”, foi o verão dos grandes concertos do Phil Collins e nós estávamos na magia da primeira semana de férias. Por sorte (mas não por acaso), os nossos Pais imaginavam-nos na escola, e por mais um feliz acaso, ela estava sozinha em casa. Deixou de estar. Ficámos por lá os dois juntos, 4 ou 5 dias.

Foi a mulher que me ensinou que há muito mais numa relação sexual além do acto em si, acto esse a que, curiosamente nem nunca chegámos. Apenas porque para ela, eu era só um consolo numa zanga de um longo namoro e por isso não quis ir mais longe. Mas andámos perto. Mesmo muito perto.

Morena, decidida, um pouquinho mais velha e muito mais experiente em quase tudo na vida do que eu, era uma moça com uma dose certa de loucura, que a fazia capaz de, num minuto, tomar uma decisão que eu levaria 24 horas a decidir. E eu gostava disso, mas gostava também da forma como namorávamos. Do erotismo com que nos envolvíamos e na mestria como ela abordava todos os momentos. Tudo muito puro na procura dos corpos e das sensações de todos os sentidos a dois. Fomos sempre dois nos momentos em que nos envolvemos.

Alguém entende? Fui mesmo muito feliz e nem foi necessário “consumar” nada.

Naturalmente ela voltou para o namorado, eu tive um desgosto enorme e fiquei profundamente abalado (a sério). Nunca mais a voltei a encontrar e nunca mais encontrei alguém que provocasse em mim o mesmo efeito. Terei encontrado algumas mulheres parecidas, terei sentido e sinto em alguns momentos, sensações igualmente intensas mas mais nenhuma mulher foi capaz de se libertar para mim e de me fazer libertar a mim próprio daquela forma. Magia pura.

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

Encantadas


Pela segunda vez neste blogue:
Simples, leves, frescas e femininas. Um encanto. :)

quarta-feira, fevereiro 02, 2011

Que dia bonito

Eu e as Zonas Húmidas, tudo isto debaixo da inspiração de Iemanjá, a Rainha do Mar. Que dia bonito. :))
2/2/2010
2/2/2009
2/2/2008
2/2/2007

Who are you?

Ontem, depois de te ver na esplanada ao jantar, todas as minhas certezas "implodiram". A tua feminilidade, a tua beleza, a tua se...