segunda-feira, fevereiro 11, 2008

O estranho caso da ovelha prenha

Na 3ª feira de Carnaval quando fui à quinta dei com uma das ovelhas no chão, afastada das outras e com dificuldades em pôr-se de pé. Tinha lá umas vacinas para as viroses e resolvi, portanto, dar-lhe uma injecção. Na Quarta já andava de pé, mas pouco se mexia, Quinta igual, sempre afastada das outras. Percebi que tinha melhorado, mas não notava mais nenhuma evolução. Hoje quando fui para a quinta ia preocupado com a ovelha, não tinha grandes esperanças de melhoras, mas, de repente, reparo numa das minhas ovelhas com um borreguito recém-nascido. Sim, a ovelha doente, não estava doente. Estava em trabalho de parto, talvez um trabalho de parto mais complicado do que o normal, mas era apenas isso.

Agora a parte mais estranha desta história é que, este ano, ao contrário de outros, em que costumo alugar um carneiro, para dar um brilhozinho nos olhos às 4 ovelhitas, este ano ficaram a seco. Sabe-se lá porquê. Não tive tempo, deixei passar a época e não tive paciência para carregar um carneiro no meu Kangoo com a consequente exigente lavagem do mesmo (do Kangoo, porque o Carneiro quer-se mesmo assim, a cheirar a carneiro. Banhos para quê?)

Então, se as ovelhas passam a vida fechadas entre 4 vedações de boa madeira e melhor arame, algum dele farpado, se as portas estão sempre fechadas, com se terá dado tal acontecimento? Inseminada pelo vento? Não me parece.Acredito mais que a minha Mãe, num dos seus despistes, típicos das pessoas geniais, naquela semana de Setembro em que fui à praia e em que por isso ela ficou de serviço “aos vivos”, como se diz aqui na terra, tenha deixado uma porta aberta e as ovelhas tenham ido em turismo até à quinta do vizinho, assim como quem vai à Tailândia ou ao Brasil.
Agora estou à espera para perceber quantas mais foram no passeio.

A quinta vive e viverá. Aqui a vida não pára mais. Venha quem vier, a nossa pegada fica lá. Acumula-se com muitas outras anteriores. Sempre construindo sonhos.

2 comentários:

  1. Uma história bem bonita (o meu pai é veterinário por isso comecei logo no início a desconfiar da "doença" da ovelha, não sabia era da impossibilidade depois possibilidade de tal poder ocorrer :)

    ResponderEliminar

A minha laranja

Imaginemos que eu sou como uma laranja, constituído por gomos muito juntinhos dentro de uma casca. Cada um dos gomos representa um estado...